Área do Usuário
   Portal da Transparência
Acessibilidade
A+
A-
Contraste
Retornar acessibilidade
  1. Home
  2. Notícias
  3. Sanidade Animal
Sanidade Animal

Paraná deverá vacinar todo o rebanho contra a febre aftosa na 2ª etapa da campanha


Publicado em: 31/10/2018 13:15 | Fonte/Agência: CRMV-PR | Categoria: Sanidade Animal

 


A segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa começa nesta quinta-feira (01) em todo o Brasil. No estado do Paraná, até o dia 30 de novembro, devem ser vacinados bovinos e bubalinos de todas as idades; na etapa de maio foram vacinados apenas os animais com até 24 meses.

Confira as recomendações do MAPA:

  • Compre as vacinas somente em lojas registradas. 
  • Verifique se as vacinas estão na temperatura correta: entre 2° C e 8° C. 
  • Para transportá-las, use uma caixa térmica, coloque três partes de gelo para uma de vacina e lacre. 
  • Mantenha a vacina no gelo até o momento da aplicação. 
  • Escolha a hora mais fresca do dia e reúna o gado. Mas lembre-se: só vacine bovinos e búfalos.
  • Durante a vacinação, mantenha a seringa e as vacinas na caixa térmica e use agulhas novas, adequadas e limpas. A higiene e a limpeza são fundamentais para um bom resultado.
  • Agite o frasco antes de usar e aplique a dosagem certa em todos os animais: 5 ml. O lugar correto de aplicação é a tábua do pescoço, podendo ser no músculo ou embaixo da pele. Aplique com calma, para evitar a formação de caroço no local da vacina.
  • Siga as recomendações de limpeza, utilize a agulha certa, desinfetada e trocada com frequência. 
  • Não se esqueça de preencher a declaração de vacinação e entregá-la no serviço veterinário oficial do seu estado junto com a nota fiscal de compra das vacinas. 


Retirada da vacinação
Nesta semana o Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento aprovou o pedido do Paraná de antecipar para novembro de 2019 a retirada da vacinação contra a febre aftosa. A aprovação veio após análise dos resultados de duas auditorias, que avaliaram o sistema de defesa agropecuária do Estado e os postos de fiscalização de trânsito agropecuário.


Voltar
Top